No divã consigo mesmo

tempoDe longe, um dos maiores desafios em nossas vidas, é lidar com nós mesmos. Já fiz vários posts sobre isso, mas sempre acho que vale mais um para nossa reflexão. E antes de mais nada, vale lembrar: o que eu quero com esses posts mais reflexivos é que você crie consciência dos seus limites, dos desafios e, principalmente, que eles te ajudem a melhorar seu amor próprio.

Depois de tantos dias, meses e daqui pouco serão anos, eu sei que o mais difícil é me entender, me aceitar e aceitar principalmente minhas falhas e meus limites. Foi apenas a partir dessa minha dificuldade (afinal, tem alguém que consegue se entender por completo? #meensina) e principalmente, de saber a real necessidade de me entender, eu comecei a prestar atenção nos meus atos e compreender alguns mecanismos ao longo da minha vida para descontar minhas frustrações na comida. Por isso, comecei a prestar atenção nas “famosas vozes” que já citei por aqui que tanto nos perturbam e nos tiram do eixo.

Além disso, comecei a perceber que, a partir do momento que comecei a falar para mim mesmo que conseguiria atingir tal objetivo, ele, por mais difícil que fosse, tornava-se menos complicado do que achava. Isso é um fato, nossa mente é perfeita nesse sentido. Você consegue manipulá-la a seu favor (e também para o desfavor #haha)…você consegue construir uma confiança que até então era inexistente internamente. Apenas com mudança de pensamento, com uma mudança de atitude. E o pior é que realmente funciona  e só depende de você.

Sempre tentei e ainda tento compreender como desenvolvi alguns mecanismos de “válvula de escape” para comida, como meu corpo e minha mente começaram a entender que comer um pacote inteiro de biscoito me faria feliz. E o porquê disso. Não decifrei todos os meus “códigos” e “links” internos, mas diariamente tento fazer essa reflexão e tento entender o porquê de ainda ver na comida um alívio para alguma dor.

Foi apenas, por meio disso, que entendi coisas simples como por ex: se estou abalada emocionalmente, é melhor não abrir um pacote, pois independente do que tenha dentro, eu vou comer todo. E foi assim que parei de ter alimentos tentadores na minha casa, na minha bolsa e subitamente o impossível começou a surgir: parei de comer compulsivamente em inúmeros momentos que até então parecia impossível. Posso até dizer que consegui diminuir esses momentos de descontrole em uns 70%, porém ainda restam 30% para decifrar e sei que com tempo e paciência conseguirei fazer isso.

Como eu consegui isso? Dedicando tempo a mim mesma. Foi no momento do descontrole que parei e respirei, contei até 10 (se necessário até 100000000) e me perguntei “por que estou comendo?”. Muitas vezes eu não via, inicialmente, um motivo, mas ai repensava sobre meu dia, minha semana, sobre meu mês e via que o comentário que o menino da faculdade soltou realmente me machucou ou que simplesmente, o dia chuvoso me lembrava uma situação triste. Nunca foi fácil descobrir o motivo por trás dos meus atos, das minhas ações. Com o tempo, ficou mais claro. Porém isso só deu e só dá por meio de tempo. O que importa é que a gente consegue realizar esse exercício sem depender de mais ninguém, apenas da gente.

Dedique tempo a auto reflexão não só quando você está “calmo”, porém também quando está estressado. É fazendo várias análises em vários momentos diferentes que vamos conseguir aos poucos realizar uma análise mais completa. Senta no divã consigo mesmo: fale para você mesmo em voz alta o que lhe incomoda, fale para você suas insatisfações, tenha claro suas falhas, suas vitórias, seus planos… seja honesta com você mesmo, seja você mesmo com você mesmo (uia!).. sem máscara, sem artifícios e principalmente, sem comida para se esconder e se esquecer em um mar de ilusões.

1378070_548393168589118_1959613178_n

Anúncios

2 pensamentos sobre “No divã consigo mesmo

  1. Ahhh essa batalha que nós travamos diariamente com nosso pior inimigo! Dificil vivermos sem ele né? Mas nada que o tempo e dedicação nos faça melhorar a relação com ele. E ainda assim eu acho impressionante a capacidade que nós temos de nos auto sabotar. Ou então de não aceitar que merecemos a felicidade 100% sem ter a sensação de que algo ruim vai acontecer só porque estamos feliz.
    O negócio é usar a filosofia do A.A..um dia de cada vez
    bjs

    • com certeza! nosso maior e pior inimigo! e infelizmente, nossas vozes internas são as que mais no sabotam ! =(
      extamente como voce falou, um dia apos o outro e sempre tentando melhorar, nos aceitar e ser feliz mesmo com falhas e imperfeicoes!
      beijos,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s